Ações estaduais de enfrentamento à Monkeypox

- Revisão da Nota de Alerta 11/2022 com atualização da definição de caso suspeito, permitindo maior sensibilidade dos serviços de saúde na detecção de casos suspeitos e consequentemente assistência, isolamento e rastreamento dos contatos;

- Divulgação de alerta aos serviços de saúde e profissionais de saúde que atendem casos de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) para a suspeita de casos de monkeypox, considerando os diagnósticos diferenciais;

- Elaboração de informe para os profissionais de saúde sobre as principais característica da doença e orientações sobre a notificação;

- Reunião de alinhamento com a Diretoria de Atenção Primária à Saúde da SES/SC e com as ONGs para sensibilização e discussão de ações conjuntas na detecção de casos suspeitos;

A doença

A varíola dos macacos é uma doença causada pelo vírus monkeypox, descoberto em 1958. O primeiro caso humano da doença foi registrado em 1970, no continente africano. Apesar do nome, não há envolvimento de animais no surto que vivemos neste momento, já que a transmissão tem ocorrido de pessoa para pessoa.
A transmissão ocorre, principalmente, por meio de contato próximo, pessoal, muitas vezes pele a pele, como: contato direto com erupção cutânea, feridas ou crostas das lesões; contato com objetos, tecidos (roupas, roupas de cama ou toalhas) e superfícies que foram usadas por alguém com a infecção; através de gotículas respiratórias ou fluidos orais de uma pessoa infectada.

A transmissão entre parceiros sexuais também tem ocorrido devido ao contato íntimo com lesões cutâneas infecciosas durante o ato sexual. No entanto, a doença não é considerada uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST).

No início, sintomas como dor de cabeça, febre, calafrios, dor de garganta, mal-estar, fadiga e aumentos nos linfonodos podem ocorrer. Logo depois vem as erupções cutâneas que costumam iniciar no rosto e se espalhar para as demais partes do corpo. O período de incubação é de 6 a 16 dias, mas pode chegar a 21 dias e os sinais e sintomas duram de 2 a 4 semanas.

A transmissão ocorre desde 48h antes do início dos sintomas e até o desaparecimento completo das lesões.

Vacinação e outras formas de prevenção

No momento, no Brasil, não há vacina contra o Monkeypox disponível, porém o Ministério da Saúde avalia a incorporação em situações específicas para públicos mais vulneráveis e para bloqueios de transmissão.

Com relação a outras formas de prevenção, como a transmissão ocorre por gotículas respiratórias e contato, sendo mais efetivo na transmissão o contato próximo, medidas gerais como o uso de máscara, evitar ambientes fechados e com aglomerações e a higiene frequente das mãos, ajudam no controle da doença.

Evitar o contato com lesões de pele em familiares ou parceiros sexuais também é uma medida importante.

(informações entre julho e outro de 2022)

Informações adicionais para a imprensa:
Amanda Mariano / Bruna Matos / Patrícia Pozzo
NUCOM - Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive)
Secretaria de Estado da Saúde
Fone: (48) 3664-7406 | 3664-7402
E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
www.dive.sc.gov.br
Instagram: @divesantacatarina
Facebook: /divesantacatarina

© 2023 Your Company. All Rights Reserved. Designed By JoomShaper