Gerência de Vigilância de Zoonoses e Entomologia (GEZOO)

A Gerência tem como função planejar, organizar, orientar, normalizar, coordenar e supervisionar as atividades de vigilância epidemiológica das zoonoses, monitorando, assessorando tecnicamente e avaliando seu comportamento epidemiológico para o desenvolvimento de ações de prevenção e controle.

 Gerente: Suzana Zeccer

 Telefone: (48) 3664-7477

 E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

Estrutura

Divisão de Vetores, Reservatórios, Hospedeiros e outros (DVRH)

A DVRH planeja, orienta, coordena e supervisiona as atividades de vigilância epidemiológica de malária, leishmaniose tegumentar americana, leishmaniose visceral (canino e humano), esquistossomose, doença de chagas, filariose, febre amarela, epizootias de primatas não humanos (PNH). Também é responsável por analisar dados referentes ao perfil epidemiológico dessas doenças; treinar veterinários para coleta de vísceras em PNHs para análise de febre amarela; distribuir medicamentos para leishmanioses, malária, doença de chagas e esquistossomose; orientar manejo da Achatina fulica e medidas diante de exposição humana a esta espécie.

 Telefone: (48) 3664-74793664-7480 / 3664-7481 / 3664-7482 / 3664-7483

Divisão de Aves e Roedores, Canídeos e Felinos, Acidentes por Animais Peçonhentos e Outros (DIRA/DICAF)

A DIRA/DICAF é responsável por planejar, orientar, coordenar, monitorar e supervisionar as atividades de vigilância epidemiológica de acidentes por animais peçonhentos, brucelose, febre maculosa, hantavirose, leptospirose, raiva e teníase/cisticercose.

Também é responsável por analisar dados referentes ao perfil epidemiológico dos agravos relacionados; capacitar médicos veterinários para coleta de sistema nervoso central (SNC) de cães e gatos para análise laboratorial de raiva; capacitações e treinamentos para os profissionais que atuam na vigilância dos agravos relacionados; distribuição de medicamentos para brucelose e teníase/cisticercose; bloqueio vacinal de foco positivo de raiva animal.

 Telefone: (48) 3664-74853664-7487

Programa de Controle da Dengue (PCD)

O PCD atua para planejar, orientar, coordenar e supervisionar as atividades de vigilância epidemiológica referentes à dengue. Também é responsável por monitorar os casos de dengue notificados no Estado; analisar dados referentes ao perfil epidemiológico dos casos da doença; capacitações e treinamentos sobre o manejo clínico da dengue para profissionais das unidades de saúde do Estado; monitoramento dos focos de Aedes aegypti no Estado; supervisão e assessoria técnica aos PCD municipais; capacitações e treinamentos para os técnicos que trabalham nos programas municipais de controle da dengue.

 Telefone: (48) 3664-74883664-7490

Suporte Laboratorial

É responsabilidade do Suporte Laboratorial, planejar, orientar, realizar controle de qualidade e coordenar as atividades laboratoriais de vigilância epidemiológica referente à entomologia. Além disso, responde pela taxonomia de animais peçonhentos, carrapatos e pulgas, flebotomíneos, triatomíneos, morcegos, ovos e larvas de culicídeos (Aedes aegyptiAedes albopictus, entre outros), insetos em geral. Atua na realização de capacitações e treinamentos para profissionais dos laboratórios de entomologia do Estado, distribuição de equipamentos e insumos laboratoriais (EPI’s, microscópios bacteriológico e entomológico etc), manejo de materiais para controle das populações de insetos e produção de laudos entomológicos e relatórios.

 Telefone: (48) 3225-3591 / 3664-7492

Notas Técnicas


  1. Nota técnica n 08/2015 DIVE/SUV/SES  - Orientações para as Gerências de Saúde referente à logística de soros antipeçonhentos
  2. Nota técnica n° 02/DIVE/SES/2015 - Orientações para pesquisa visando isolamento e identificação da Riquétsia circulante em Santa Catarina (Atualizada em 2016)
  3. Nota técnica n° 12/DIVE/SES/2014 - Utilização dos testes rápidos para infecção pelo HIV, hepatites virais e sífilis nos serviços de saúde no Estado de Santa Catarina
  4. Nota técnica n° 10/DIVE/SES/2014 - Esclarecimentos sobre o diagnóstico laboratorial de Leishmaniose Visceral Canina (LVC) no Estado de Santa Catarina
  5. Nota técnica n° 08/DIVE/SES/2014 - Procedimentos a serem adotados em Santa Catarina frente a caso suspeito de Febre do Chikungunya
  6. Nota técnica n° 05/DIVE/SES/2014 - Orientações sobre as condutas a serem adotadas pela Vigilância Epidemiológica frente a acidentes por animais aquáticos Cnidários (Águas Vivas)
  7. Nota técnica n° 02/DIVE/SES/2014 - Informa sobre caso suspeito de raiva em felídeo no município de Concórdia
  8. Nota técnica n° 01/DIVE/SES/2014 - Orienta sobre as condutas frente à nova classificação de dengue, alterações na ficha de investigação e implantação do Sinan Online
  9. Nota técnica n° 08/DIVE/SES/2013 - Orientação para atendimento antirrábico humano
  10. Nota técnica nº 13/DIVE/SES/2010 - Pontos Estratégicos Dengue
  11. Nota técnica nº 03/DIVE/SES/2009 - Orienta sobre a vigilância de epizootias em primatas (macacos) por Febre Amarela e implanta a notificação imediata por telefone na região de Lages, Campos Novos e Joaçaba
  12. Nota técnica n° 02/DIVE/SES/2008 - Sobre procedimentos de diagnóstico para Febre Amarela

Publicações

Campanhas

Capacitações

Apresentações

Alertas Epidemiológicos

Topo