Boletim epidemiológico aponta aumento de casos de febre de chikungunya em Santa Catarina

É crescente o número de focos do mosquito Aedes aegypti em Santa Catarina. Em apenas 15 dias, 121 novos focos foram identificados no estado, de acordo com o boletim epidemiológico divulgado hoje, 15.08, pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde (Dive/SES/SC) em comparação com o boletim anterior. No total, 8.147 focos foram identificados este ano, em 137 municípios, volume 25% maior do que o registrado no mesmo período do ano passado. “Desses, 60 municípios são considerados infestados, o que aumenta o risco de transmissão, tanto neles próprios quanto nos demais, em função do trânsito de pessoas e da dispersão do mosquito transmissor”, alerta João Fuck, coordenador do programa de controle da dengue em Santa Catarina.

Das três doenças transmitidas pelo mosquito – dengue, febre do zika vírus e febre de chikungunya – essa última é a que vem apresentando o maior número de casos. De 1 de janeiro a 29 de julho, conforme o boletim epidemiológico, 27 casos de febre de chikungunya foram confirmados, sendo 25 importados, com local de infecção nos estados da Bahia, Ceará, Espirito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará e Roraima. Outros 2 casos confirmados estão em investigação de local provável de infecção. Outros 31 permanecem como suspeitos, aguardando resultado laboratorial.

Em relação às demais doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, foram confirmados 10 casos de dengue, sendo 6 importados, 1 autóctone, 1 indeterminado e 2 em investigação de local provável de infecção; e 1 caso de febre de zika vírus, importado. Na comparação com o boletim epidemiológico anterior, foram 3 novos casos de febre de chikungunya e 1 de dengue.

 

Febre de chikungunya

Os primeiros casos de febre de chikungunya foram detectados no Brasil em 2014. De lá para cá, até a Semana Epidemiológica (SE) 19 (01/01/2017 – 13/05/2017), foram confirmados 28.225 casos da doença, com maiorconcentração na região Nordeste do país. Entre os estados, destacam-se Ceará, Roraima e Tocantins. Nesse mesmo período foram confirmados laboratorialmente 13 óbitos por febre de chikungunya, ocorridos nos estados do Pará, Ceará, Tocantins, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e em São Paulo. Em Santa Catarina, o primeiro caso autóctone da doença foi registrado no ano de 2015, no município de Itajaí.  

A febre de pode se apresentar sob a forma aguda (com sintomas abruptos de febre alta, dor articular intensa, dor de cabeça e dor muscular, podendo ocorrer erupções cutâneas) e evoluir a uma doença crônica, caracterizada pela persistência dos sintomas, principalmente dor articular, musculoesquelética e neuropática, sendo essa última muito frequente nessa fase. A prevalência da fase crônica é bastante variável, segundo os estudos, podendo atingir mais da metade dos pacientes.

Pessoas com febre de início súbito maior que 38,50C e artralgia ou artrite intensa de início agudo, não explicado por outras condições, devem tomar muita água, não se automedicar e procurar uma Unidade de Saúde.

Clique aqui e confira o Boletim


Topo