Profissionais de saúde do sistema prisional de Santa Catarina recebem capacitação sobre manejo clínico da tuberculose

Na próxima semana, 55 profissionais de saúde que atuam no sistema prisional de Santa Catarina participarão da capacitação oferecida pela Divisão[GHdS1]  de Tuberculose da Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina. O evento Manejo Clínico da Tuberculose para Profissionais do Sistema Prisional de Santa Catarina será realizado nos dias 26 e 27 de julho, em Florianópolis, com o apoio do Departamento de Administração Prisional da Secretaria de Justiça e Cidadania.

“A população privada de liberdade – PPL – é reconhecida como uma população vulnerável e possui um risco 32 vezes maior para desenvolver a doença quando comparada com a população em geral”, afirma Gladis Helena da Silva[GHdS2] , gerente de Vigilância de Agravos da Dive/SC, ressaltando que os profissionais de saúde que atuam no sistema prisional desempenham papel fundamental no diagnóstico, controle, vigilância e tratamento da tuberculose dessas pessoas. “Considerando o ambiente confinado e hiperendêmico das unidades prisionais, deve ser dada prioridade à detecção dos casos bacilíferos identificados a partir da existência de suspeita clínica, ou seja, de tosse por mais de duas semanas, e garantida a disponibilidade de toda atenção à saúde requerida ao caso, bem como vigilância dos contatos e orientação aos familiares e trabalhadores do sistema prisional”, complementa o médico pneumologista Gilberto Sandin, técnico da Gevra/Dive/SC. Segundo ele, as dificuldades de atenção à saúde e a precariedade de alguns espaços físicos com ambientes superpopulosos, mal ventilados e com iluminação solar limitada, são fatores que predispõem as pessoas privadas de liberdade ao contágio e ao adoecimento pela tuberculose.

Dos 1.827 casos de tuberculose notificados em 2015 em Santa Catarina, 158 foram diagnosticados no sistema prisional. Destes, 106 alcançaram alta por cura (67%), 4 abandonaram o tratamento (5%) e os demais tiveram outros desfechos. A meta preconizada pelo Ministério da Saúde é curar 85% dos casos, já para os abandonos o parâmetro é até 5%. O percentual de cura entre a população em geral de Santa Catarina é de 70% e a taxa de abandono é de 7,2%.

“O grande desafio para a melhora desses indicadores continua a ser o fortalecimento do compromisso político na luta contra a tuberculose no sistema prisional como uma política pública efetiva. As pessoas privadas de liberdade devem receber o mesmo nível de atenção à saúde que a população em geral, ter o mesmo acesso a um diagnóstico precoce, tratamento adequado, cuidados e acompanhamento continuado por parte dos profissionais de saúde, tendo esse direito garantido se contribuem para a redução da transmissão intrainstitucional, impactando na saúde das PPL e dos demais. “, ressalta Gladis.

Durante o evento, serão abordados temas como os aspectos epidemiológicos da tuberculose no mundo, no Brasil e em Santa Catarina; Diagnóstico, tratamento, acompanhamento clínico e controle de contatos; Conhecendo o sistema prisional; Coinfecção: TB/HIV/AIDS; e serão apresentadas as experiências dos presídios de Joinville, Florianópolis e São Pedro de Alcântara.

Saiba mais em www.dive.sc.gov.br/tuberculose

 

 


Topo