Adesão ao Dia D eleva cobertura vacinal contra a gripe para 67% em Santa Catarina

O último sábado, 13 de maio, 1.112 salas de vacina de todo o estado ficaram abertas das 8h às 17h para a vacinação contra a gripe no “Dia D” da 19ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza. Além dessas, em torno de 300 postos volantes também aplicaram a vacina neste dia. A adesão da população-alvo foi considerada positiva, elevando para 67% a cobertura vacinal em Santa Catarina. A campanha segue até o dia 26 de maio. “As equipes das regionais de saúde e os municípios empenharam-se em atrativos para garantirem a adesão ao Dia D, e deu certo. A cobertura vacinal passou de 51,8% para 67% após a mobilização”, afirma Vanessa Vieira da Silva, gerente de imunização da Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina (Dive/SC).

No total, até o momento, foram aplicadas 1.215.753 doses, das quais 893.487 doses entre pessoas dos seguintes grupos prioritários: idosos (547.301), crianças de seis meses e menores de cinco anos (186.694); trabalhadores de saúde (58.113); professores (47.214); gestantes (34.078); puérperas – até 45 dias após o parto (8.126); e indígenas (5.819).


Outras 322.266 doses foram aplicadas em indivíduos portadores de doenças crônicas ou com condições clínicas especiais*. Como a estimativa é que existam 461.739 pessoas com comorbidades que devem ser imunizadas, já foram vacinadas 70% das pessoas pertencentes a este grupo. Concórdia é a região que apresenta a melhor cobertura vacinal contra influenza até o momento: 81%. A que apresenta o resultado mais baixo é Lages (57,03%).

No site www.gripe.sc.gov.br, além de informações sobre a doença, as formas de prevenção e tratamento, há a lista completa das salas de vacina existentes em Santa Catarina, tanto da rede pública como das unidades privadas credenciadas pela Dive/SC para comercializar as vacinas.

A campanha continua até o dia 26 de maio, as pessoas que pertencem aos grupos prioritários devem comparecer ao posto de vacinação, preferencialmente portando sua carteirinha de vacinação. Os portadores de doenças crônicas não transmissíveis devem apresentar prescrição médica com indicação da vacina contra influenza ou, caso sejam cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do SUS, podem se dirigir aos postos em que estão registrados para receber a vacina sem a necessidade da prescrição. Já os professores têm de apresentar comprovante de vínculo com uma instituição de ensino e os trabalhadores de saúde precisam apresentar carteira de identificação profissional.

*Indivíduos que apresentem pneumopatias (incluindo asma); cardiovasculopatias; nefropatias; hepatopatias; doenças hematológicas; distúrbios metabólicos; transtornos neurológicos e do desenvolvimento (como epilepsia, paralisia cerebral, síndrome de Down, entre outros); obesidade; imunossupressão associada a medicamentos; neoplasias; HIV/AIDS ou outros e pacientes com tuberculose, de todas as formas.

 


Topo