Maio Amarelo: Dive divulga dados sobre mortes e internações por acidentes de trânsito em Santa Catarina

Boletim: Óbitos e internações por acidentes de trânsito em Santa Catarina

Os acidentes de trânsito ocorridos em Santa Catarina no ano passado provocaram a morte de 1.577 pessoas, representando 36% dos óbitos por causas externas registrados no estado. Em segundo lugar, estão os homicídios, com 22% do total. Do total de óbitos por acidentes de trânsito, a grande maioria era formada por homens (1.243) e por adultos jovens, entre 20 e 39 anos (667 pessoas). Em relação à condição da vítima, 553 eram passageiros do veículo, 79 eram motoristas, 511 eram motociclistas, 241 eram pedestres, 82 eram ciclistas, cinco eram passageiros de veículo de tração animal e 106 não foram especificados. Os municípios que registraram o maior número de óbitos por acidentes de trânsito foram Joinville (108), Florianópolis (78), Chapecó (61) e Blumenau (57).

Os dados divulgados pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina (Dive/SC) reforçam a importância da conscientização em relação aos hábitos e atitudes no trânsito, tema da campanha nacional do movimento Maio Amarelo. “Apesar dos altos índices, registramos queda de 20% na quantidade de óbitos por acidentes de trânsito nos últimos três anos, apesar disso, os números são preocupantes”, afirma Gladis Helena da Silva, gerente de Vigilância de Agravos da Dive/SC. O registro de mortes por acidentes de trânsito passou de 1.966, em 2014, para 1.704, em 2015, para 1.577, em 2016.

“O sistema de saúde é o que sofre maior impacto financeiro, já que o custo social e pessoal é incalculável”, complementa Gladis. Somente no ano passado, as 8.097 internações hospitalares em decorrência de acidentes de trânsito custaram R$ 17,6 milhões ao Sistema Único de Saúde em Santa Catarina. Desse total, os motociclistas representaram 48,8%, ou seja, 4.241 internações e R$ 8,5 milhões. “O fortalecimento das ações intersetoriais focadas na educação e comunicação, fiscalização e infraestrutura são pilares fundamentais para diminuição no número de vidas perdidas”, avalia a gerente da Dive/SC.

Dentre as iniciativas bem-sucedidas, Gladis cita o Projeto Vida no Trânsito (PVT), implantado em Florianópolis há cinco anos. Voltado para a vigilância e prevenção de lesões e mortes no trânsito e promoção da saúde, em resposta aos desafios da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Década de Ações pela Segurança no Trânsito 2011 – 2020, o PVT é coordenado pelo Ministério da Saúde, em uma articulação interministerial e parceria com a Organização Pan Americana da Saúde (Opas). O projeto foi lançado em 2010 nas cidades de Belo Horizonte/MG, Campo Grande/MS, Curitiba/PR, Palmas/TO e Teresina/PI. Em 2012, foi implantado pelo Ministério da Saúde em todas as capitais brasileiras. E, em junho de 2016, o Governo de Santa Catarina decidiu estendê-lo para Joinville e Blumenau, municípios que apresentaram os mais altos índices de mortalidade por acidentes de trânsito em 2015: 161 e 79 óbitos, respectivamente.

 

MAIO AMARELO

Confira a programação de ações:

 

Florianópolis

Dia 7/5 – Das 8h às 12h – Atividade educativa na Avenida Beira Mar Norte, com distribuição de materiais informativos.

Dia 16/5 – Das 11h às 12h e das 16h às 17 – Atividade educativa em frente ao Terminal de Integração do Centro (Ticen), com distribuição de materiais informativos.

 

Clique aqui e confira a programação de Blumenau

Clique aqui e confira a programação de Joinville


Topo